A estação mais quente do ano costuma ser de muita alegria, sol e diversão. Apesar disso, este período requer alguns cuidados com o coração.

Cuidados com o coração no verão

A estação mais quente do ano costuma ser de muita alegria, sol e diversão. Apesar disso, este período requer alguns cuidados com o coração. Em dias mais quentes, com temperaturas acima de 30 graus, os vasos sanguíneos têm mais chances de dilatar e influenciar na pressão arterial.

Em casos de redução da pressão, pode ocorrer tontura, desmaio e arritmia cardíaca. Por isso, para aproveitar o verão ao máximo, é preciso ter atenção com a saúde. Neste período do ano, grande parte das pessoas busca sair da rotina por conta das altas temperaturas. Atividades ao ar livre e excessos na alimentação são hábitos bastante comuns.

Este conjunto, de forma exagerada, pode gerar problemas ao coração, principalmente em pessoas com risco cardiovascular como obesos, idosos, diabéticos e hipertensos.  Pesquisas científicas comprovam que temperaturas altas aumentam o risco de morte precoce por doenças vasculares, sobretudo em pessoas acima de 50 anos.

Outro fator que requer atenção é o suor excessivo que costuma ocorrer devido ao aumento da temperatura. À medida que o corpo desidrata, ele fecha os vasos sanguíneos para manter a pressão, e os batimentos cardíacos aumentam com o intuito de garantir o funcionamento do organismo. Logo, essa situação é mais grave em pessoas que já apresentam hipertensão arterial e colesterol alto, pois aumentam o risco de infarto e derrame.


Portanto, é importante ter atenção a alguns sintomas que podem indicar infarto ou AVC:

  • Aceleramento do batimento cardíaco;
  • Ansiedade;
  • Tontura ou dor de cabeça;
  • Dores no peito que se estendem ao braço, às costas ou ao queixo.

Por isso, para aproveitar o verão mantendo a saúde em dia é recomendado:

  • Manter uma boa hidratação;
  • Aferir a pressão arterial regularmente;
  • Ter uma alimentação leve e equilibrada;
  • Praticar exercícios físicos respeitando o seu limite e com  avaliação médica prévia;
  • Não esquecer de tomar os medicamentos de uso contínuo.