Os períodos variam de um imunizante para outro, mas, em geral, o corpo só está realmente protegido 14 dias após a segunda dose da vacina contra a covid. Na maioria das vezes, o organismo apenas inicia esse processo com a primeira.

Segunda dose é fundamental para imunização completa do organismo

A importância da segunda dose é enorme. Porém, a parcela de pessoas que tomou a primeira dose de uma das vacinas contra a Covid-19 e não foi tomar a de reforço ainda é alta. Isso precisa mudar, pois é apenas após a segunda que o corpo pode estar totalmente imunizado.

Os períodos variam de um imunizante para outro, mas, em geral, o corpo só está realmente protegido 14 dias após a segunda dose da vacina contra a covid. Na maioria das vezes, o organismo apenas inicia esse processo com a primeira.

Atualmente, no Brasil, somente a vacina da Janssen é fornecida em dose única. Nela, o prazo de imunidade também é de 14 dias após a aplicação. Com as demais (Pfizer, Coronavac e AstraZeneca), a segunda é obrigatória.

Logo, se você tomou uma vacina que precisa das duas doses para completar o esquema vacinal, não deixe de acompanhar o intervalo recomendado e procurar o posto de saúde para a segunda aplicação. Assim, você estará imunizado(a) adequadamente e vai aumentar a defesa do corpo contra o Coronavírus.

  • Intervalos recomendados

Vacina Coronavac: intervalo de 4 semanas entre as duas doses.
Vacina AstraZeneca/Oxford: intervalo de 12 semanas entre as duas doses.
Vacina Pfizer/BioNTech: intervalo de 12 semanas entre as duas doses.
Vacina Janssen: apenas uma aplicação necessária.

Quem leu esse texto também leu: Alteração no olfato é sintoma característico de Covid-19 e demanda atenção

  • Terceira dose?

Apesar do aparecimento de variantes da Covid, algumas com grau de contágio ainda maior, ainda não há recomendação para uma possível terceira aplicação, de reforço, contra o Coronavírus. A prática não é recomendada pelo Ministério da Saúde. Além disso, ainda faltam estudos conclusivos que indiquem essa necessidade.

Irregularidades nas campanhas de vacinação, como a aplicação indevida de terceira dose, por exemplo, devem ser denunciadas diretamente ao Ministério Público.

  • Não deixe de tomar a dose de reforço

Muitos motivos são apontados como motivo para não tomar a dose de reforço. Uma das mais comuns é a pessoa ter tido a doença após a primeira aplicação.

A vacinação contra a Covid também é recomendada para pessoas que contraíram a doença antes da primeira dose e também entre as doses. Não há contraindicação, perda ou ganho de imunidade extra após a doença.

Se você está infectado, com Covid ou com outra doença, aguarde a resolução dos sintomas e após isso procure um posto de saúde para tomar a nova dose assim que possível.

Quem leu esse texto também leu: Nutrição pós-Covid é a principal aliada na recuperação da doença

Outro ponto levantado constantemente diz respeito às reações pós-vacinação. Elas são comuns e podem acontecer com qualquer pessoa, que tenha tomado qualquer vacina.

Podem haver desde casos assintomáticos até mesmo reações adversas mais sérias, como dor intensa no local da aplicação, febre, dor de cabeça e no corpo, por exemplo.

Mesmo que você tenha tido reações mais sérias, não deixe de tomar a dose de reforço. Nesta dose de reforço as reações costumam ser menos intensas.